"Só com a leitura um povo pode se tornar forte em sua cultura." (Rodrigo Poeta)

quinta-feira, 28 de julho de 2011

4°lugar no V° Concurso POESIARTE



- 4°lugar no V° Concurso POESIARTE.
- Nome: Roque Aloisio Weschenfelder.
- Natural de Santo Cristo/RS.

- Cidade em que representa: Santa Rosa/RS.
- Pseudônimo: Solavancos.
-Poema: Principescos.
-Atividades: Professor e poeta.
-E-mail: roquealoisio@yahoo.com.br




- 4°lugar com poema:





PRINCIPESCOS


                               Um sonho balança a noite em êxtase
                               A lua passeia por entre as estrelas
                                               Musa em deleite
                                               Do sonho enfeite

                               Um remo move a tarde embalada
                               O boto passeia por entre as marolas
                                               Vigia potente
                                               Do remo dolente

                               Um discurso perpassa a plateia escassa
                               O tribuno desfaz-se dos impropérios
                                               Adjetivos ornatos
                                               Dos verbos baratos

                               Um frescor alavanca os ventos do sul
                               O outono anuncia temporais macabros
                                               Avanço gelado
                                               Do inverno o afago

                               Um verso se adorna com metáforas
                               O poeta esperneia entre as estrofes
                                               Sonhos escritos
                                               Nos céus benditos

                               Uma lágrima molha a face da tarde
                               A chuva goteja e burila no telhado
                                               Água vertente
                                               Prenúncio de enchente

                               E um cidadão olha para o mundo
                               O pensar sem asas não pode voar
                                               Impostos pesados
                                               Pra sempre roubados

                               Não pode um frágil poema alcançar
                               A consciência do mundo “nem aí”
                                               Paz que engana
                                               Mentes insanas

                                                               Pseudônimo: Solavancos.

Um comentário:

Reviragita Poesia disse...

Parabéns pela sua colocação.
Um bom resultado num concurso
é sempre estimulante.
Gostei do seu trabalho.
Ci